Ninguém gosta de perder.

Existe na consciência humana, um sentimento de falha na perda.
Por pior que isto pareça, passamos a vida sofrendo perdas: perda de cabelo, de emprego, de dinheiro, do amor (abro um parêntese para dizer que a perda de peso não pode ser caracterizada uma perda).

E, para toda a perda, existe a possibilidade de um reencontro. Pode ser que o objeto perdido volte diferente, como um novo amor (lembra a informação da perda de peso?). A pior perda, no entanto, é a perda do controle. Este pode ser reencontrado, mas o impacto que a perda do controle causou é devastador. O controle perdido sempre é ocasionado por uma perda anterior. Pode-se tomar um porre pela perda de um emprego, por exemplo, e este porre ocasiona a perda de controle.

Para evitar isto, acostume-se a se enxergar falível. Uma pessoa falível pode perder sem ter o brio comprometido, assimilando a perda como mais um aprendizado da vida. Afinal, sabemos que perdemos algo porque não precisávamos dele em determinados momentos.

Pensando assim, entendemos que perder também faz parte do jogo da vida e nada que saia dela precisa permanecer.

Autor: Texto Psicografado por Inácio Costa Cruz – pelo Médium Marcos Schalch