O que fazes para ensinar tua alma a dançar?

O que fazes a mantém presa dentro de ti
Escondida das camadas densas de dor,
Sufocada pelo medo,
Emudecida pela inércia…,
Ou a deixas iluminada nas asas de riscos desconhecidos para voar rumo a um mundo de fantasias
Do qual não há garantia de retorno
E do qual podes até cair!
O que fazes para ensinar tua alma a dançar?

O que fazes para ensinar tua alma a sentir?

O que fazes a mantém protegida pelo falso manto da segurança,
Envolta no silêncio inquebrantável
Trancada atrás de portas de aço
Pelas quais o vento frio não passa
E dentro das quais a morte é lenta e certa;
Ou removes a camada espessa, insensível como o gelo ao toque
Atiças uma fagulha tímida
E fazes da brasa uma chama ardente
Que se espalha, queima e consome
Mesmo quando atinges a forma mais elevada.
O que fazes para ensinar tua alma a sentir?

O que fazes para ensinar teu coração a amar?

O que fazes o aprisiona em páginas de poemas amargos
Canções de amor não correspondido
Que nunca lês para que te ouçam, só para ti
O deixa acorrentado, de mãos atadas que só se movimentam o suficiente;
Para fazer as contas infindas de pequenas ofensas
Ou abre fendas e lacunas
Largas o bastante para alguém entrar, encontrar um nicho e decorá-lo;
Com seus próprios sonhos e paixões
Pintar as paredes com pinceladas de carícias,
Ir e vir quando bem quiser
Sem travas nem amarras
Mas com o toque simples de um abraço forte.
O que fazes para ensinar o teu coração a amar…?

Autora: Kathleen Prat

Imagem: Projetado pelo Freepik