Olhe-se no espelho!

E diga, espelho, espelho meu! Quem de fato sou eu?

Serei eu a mesma pessoa em todas as situações?

E olhando fixamente para o fundo dos seus olhos refletidos no espelho, busque a resposta.

Se a resposta for a de que compreendes que és a mesma pessoa, isto pode representar um sinal de integridade, mas ainda não significa que és uma pessoa que vive a integridade por completo.

Continue olhando e reflita se a sua vida é recheada de sentimentos de paz, ou da ausência dela.

Às vezes mudamos de lugar, de cidade, de trabalho, de religião, de amigos e amores… na esperança de buscar a felicidade ou um estado de espírito mais confortador.

Porém, mais dia, menos dia, percebemos que os incômodos continuam lá, manifestando-se em lugares diferentes e com pessoas diferentes, muitas vezes travestidos com roupagens diferentes, mas ao serem desnudados, observamos que eles continuam lá, exatamente iguais.

Se observarmos mais a fundo, percebemos que não praticamos aquilo que acreditamos. Somos no fundo, traidores de nós mesmos e, ao agirmos desta forma criamos um mundo irreal, imaginário e nestas construções vamos vivendo de miragens e autoengano.

Criamos imagens distorcidas dos outros e de nós mesmos, e vamos vivendo num mundo de faz de conta.

Muitas das vitórias conquistadas podem ter sabor amargo, pois vêm acompanhadas de sentimentos como culpa, medo e dúvida.

É como se não fossemos merecedores de ser, e criamos um mundo de crenças sem nenhuma reflexão como:  “Seria feliz se… Serei feliz quando…. Sou feliz na medida em que…”

Cremos que nossa felicidade ou completude estão condicionadas ao outro ou a uma condição para ser no futuro.

Repartimos o nosso ser. Agimos diferente de acordo com a necessidade, o lugar, o momento, as pessoas. Para cada situação uma resposta, e assim perdemos a paz da nossa alma.

Olhe-se no espelho!  Enxergue sua alma!

Como diz Roberto Tranjan em seu livro Rico de Verdade:  “A coerência convida a integrar todos os nossos sistemas de vida: o físico e corporal, o intuitivo e intelectual, o sentimental e emocional. O alinhamento entre o que somos e o que fazemos forma o fluxo através do qual a verdadeira riqueza flui. Para isso, a principal palavra a ser usada diariamente é BASTA!

Basta! Eu não estou à venda!

Basta! Meu comprometimento e a minha criatividade não tem preço!

Basta! Eu não aceito estas condições!

Basta! Eu não sou coisa!

Basta! Eu não sou máquina!

Basta! Eu sou gente! ”

 

Observe o que lhe agrada. Rejeite o que tira a sua paz. Observe quantos “bastas” são necessários para reunir o seu EU e torná-lo UM.  Reúna o que há de melhor. Torne-se Um, consigo mesmo, com comportamentos alinhados aos seus pensamentos e sentimentos, isto é coerência.

 

Texto –  Rosely Amaral – Coordenadora da Área da Educação Emocional do Espaço Caminho de Ascensão, Terapeuta Holística da Luz Dourada e Sócia da Consultoria Multifaces.

Obra InspiradoraRico de Verdade – Roberto Adami Tranjan

Imagem –  Designed by Freepik


 

Exercício da Oficina da Integridade Coerência – Lema: Por hoje, Basta!

O exercício proposto para a semana é a Campanha do Basta!

Observem as questões do quadro abaixo e comecem hoje mesmo a identificar os “Bastas” que você quer para a sua vida.

 

Questões Reflexões Bastas!
Você é a mesma pessoa em todas as situações?
Você emprega seu tempo de forma apropriada?
Você emprega o seu dinheiro de forma apropriada?
Você se empenha o suficiente nas coisas mais importantes?
Você vive coerentemente com os seus propósitos?

 

Texto para Impressão